Reaproximando Xiquexiquenses!

PRIMEIRAS POVOAÇÕES DO POVOADO DE MARRECA VELHA E DISTRITO DE NOVA IGUIRA.

Aqui informações sobre o povoado de Marreca Velha e o Distrito de Nova Iguira (Marreca Nova ). O povoado de Marreca Velha com cerca de 1500 habitantes fica a 25 km da sede do município, já o distrito de Nova Iguira fica a 5 km de Xique-Xique tem cerca de 3.600 habitantes. 

No ano de 1763 o português Marçal Ferreira dos Santos,  embarca em Lisboa  com destino ao Brasil Colônia, mais precisamente para a cidade do Salvador (BA). Era solteiro, rico, burguês e como outros milhares de judeus resolveu procurar o novo mundo, em busca de um lugar de franca liberdade para tocar negócios e viver longe das vistas dos inquisidores. Depois de mais de dois anos  tocando negócios em Salvador (BA) decidiu tentar o interior da Bahia e se  mudou  para a cidade de  Jacobina (BA). Nessa cidade  tomou conhecimento da existência das abundantes e baratas terras existentes nas margens do  Rio São Francisco. Como desejava ser fazendeiro, procurou os herdeiros dos dois grandes latifundiários da região são-franciscana Francisco Garcia Dias D’Ávila – Barão da Casa da Torre – e Antônio Guedes de Brito – Barão da Casa da Ponte – os quais eram também fazendeiros e grandes criadores em ambas as margens do Rio São Francisco e lhes comprou duas grandes áreas de terras: uma ilha aos herdeiros do Barão da Casa da Torre, proprietários na margem esquerda do rio, à qual deu o nome de "Fazenda Marrecas" e  uma gleba enorme em terra firme na margem direita do rio, dos herdeiros do Barão da Casa da Ponte, à qual deu o nome de "Fazenda Riacho Grande" em Xique Xique.

Era o final do ano de 1765 e Marçal Ferreira dos Santos preferiu iniciar o processo de construção das instalações pela "Fazenda Riacho Grande", deixando para o ano de 1766 o início das obras da sede, dos currais e das roças de subsistência na "Fazenda Marrecas". Depois de instalado satisfatoriamente na "Fazendas Marrecas" – lugar mais apropriado para passar  o período da vazante do Rio São Francisco – e na "Fazenda Riacho Grande" –, lugar mais adequado para ficar no período das chuvas, além de mais adequado para cuidar e amansar os bezerros, Marçal Ferreira dos Santos achou que estava na hora de conhecer as filhas, netas e bisnetas dos fazendeiros mais antigos da região e procurar entre elas a esposa para completar sua vida e realizar o sonho de  ter um lar e constituir família. Dirigiu-se, então para a "Fazenda Tiririca", instalada  desde o ano de  1725 para os lados do Rio Verde, afluente do Rio São Francisco. Ali Marçal Ferreira dos Santos encontrou na jovem Josefa Ferreira de Brito, filha de Raimundo Ferreira de Brito – neta, pelo lado materno, do casal fundador do Distrito de  Tiririca, atual Itaguaçu da Bahia,  Alberto Pires de Carvalho e Felícia Pires de Carvalho,   a esposa ideal que iria participar e compartilhar da sua vida. Marçal Ferreira dos Santos casou-se com D.  Josefa Ferreira de Brito e tiveram oito filhos. 

A tradição oral conservou os nomes de três dos oito filhos de Marçal Ferreira dos Santos e Josefa Ferreira de Brito: João Ferreira dos Santos, Izidro José Ferreira e Lúcio Ferreira dos Santos. Essas terras adquiridas em 1763 pelo português Marçal Ferreira dos Santos e que foram denominadas de "Fazenda Marrecas" e "Fazenda Riacho Grande".

Adaptação: Adriano Brito.

Fonte: "Senhor do Bonfim e Bom Jesus de Chique-Chique", de Cassimiro Machado Neto.

Nenhum comentário

Atenção! Não responsabilizamos pelos comentários aqui, o autor responderá por cada um deles.